Os fantasmas batem à porta


Os fantasmas batem à porta

com dedos finos de nada,

mas não esperam que a porta

se abra

e passam através dela, como passa o sol pelo vidro

da janela.

Texto de : Álvaro Magalhães, Poesia para todo o ano,2013, Porto Editora

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: