O Bule e as borboletas


“A avó Leocádia andava com problemas de vista.

– Cada vez vejo pior – lamentava-se ela ao falar com os netos.

– Não se preocupe –  tranquilizavam-na eles – que isso é natural na sua idade e se precisar de alguma coisa cá estamos nós para lhe darmos uma ajuda.

Ela gostava que os netos lhe dissessem  palavras agradáveis como aquelas porque a faziam sentir-se bem, mais confortável e amparada, menos sozinha com os seus medos e problemas.

Nos últimos tempos andava intrigada com imagens que lhe passavam pelos olhos.

– É que – garantia ela – as borboletas azuis do bule de chá saíram da porcelana branca e começaram a a esvoaçar pela sala.

Ninguém quis acreditar naquilo que a avó Leocádia contava.

– São confusões que lhe andavam na cabeça e que são naturais na sua idade. – justificava-se a filha Mafalda com um sorriso complacente e com um encolher dos ombros que parecia querer dizer; ” não a levem muito a sério, que eu já sei o que a casa gasta… “.

Mas a avó Leocádia, com os olhos piscos e a voz fininha, insistia:

– Ainda ontem as borboletas levantaram voo e encaminharam-se para a janela da sala. se não estivesse fechada tinham ido lá para fora.

Perante a insistência da avó, os netos chegaram a convencer-se de que estava mesmo doente e que era preciso reforçar os cuidados que tinham com ela.

– A avó  – segredaram-lhe –   tem de descansar mais, de ler menos jornais e de ver menos televisão.

Sem perceber muito bem  a razão porque lhe estavam a fazer aquelas recomendações, a avó Leocádia apontou para o bule e disse:

– Se olharem com atenção, hão-de reparar que elas voam mesmo.

Claro que ninguém acreditou. Os netos foram para a rua brincar e a avó lá ficou entregue às suas dúvidas e interrogações, com a certeza de que aquilo que acabara de contar era a mais pura das verdades.

Nesse dia a família reuniu-se, enquanto a avó Leocádia dormia, para discutir o seu problema. Será que estava mesmo doente? Não seria melhor mandar chamar o médico?

Concluíram que sim, que não estava bem e que precisava de urgentes cuidados médicos.

*Preocupada a filha Mafalda foi pé ante pé ao seu quarto ver se dormia tranquila e saiu de lá num grande alvoroço.

– Venham depressa, venham depressa porque ela tem borboletas azuis a esvoaçarem à volta da cabeça.

E é que tinha mesmo. eram para aí umas dez, acabadinhas de sair da porcelana branca do bule, que estava muito quieto na mesa de cabeceira como se não fosse nada com ele.”

Texto de: José Jorge Letria

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: