As portas


Ninguém se lembra

que a porta de casa tem duas caras:

a de dentro e a de fora.

Se uma ri a outra chora.

A de dentro está aconchegada,

sente o calor da lareira e das pessoas,

sabe o que há para jantar,

cheira e vê as coisas boas.

A de fora dorme à chuva,

gela de frio e de tristeza.

Recebe os golpes de vento

e o chichi dos cães vadios,

as pancadas do carteiro,

que bate sempre três vezes,

e a perícia dos ladrões,

que não batem nenhuma.

(…)

Agora o segredo: ficam a saber

que  as duas caras da porta não são muito dadas,

o que não admira: não se podem ver.

Estão sempre voltadas de costas voltadas.

As duas são portas a porta de casa

mas a de fora vive na rua

e a de dentro é quem lá mora.

Ninguém se lembra que a porta

tem duas caras.

Se a de dentro ri, chora a de fora.

Texto de : Álvaro Magalhães

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: