Arquivo

Monthly Archives: Maio 2013


” … Já duas vezes te disse

Que nunca mais te diria

O que te torno a dizer

E fica para outro dia.

Meu coração é uma barca

Que não sabe navegar.

Guardo o linho na arca

Com um ar de o acarinhar.

A tua saia, que é curta,

Deixa-te a perna a mostrar:

Meu coração já se furta

A sentir sem eu pensar. …”

Texto de : Fernando Pessoa


” … Se há uma nuvem que passa

Passa uma sombra também.

Ninguém diz que é desgraça

Não ter o que não se tem.

Pobre do pobre que  é ele

E não é quem se fingiu!

Por muito que a gente vele

Descobre que já dormiu.

Quantas vezes a memória

Para fingir que inda é gente,

Nos conta um grande história

Em que ninguém está presente. …”

Texto de : Fernando Pessoa


” Adivinhei o que pensas

Só por saber que não era

Qualquer das coisas imensas

Que a minh´a alma sempre espera.

Nuvem do céu, que pareces

Tudo quanto a gente quer,

Se tu, ao menos, me desses

O que se não pode ter!

O burburinho da água

No regato que se espalha

É como a ilusão que é mágoa

Quando a verdade a baralha. …”

Texto de : Fernando Pessoa


“Quando é o tempo do trigo

É o tempo de trigar.

A verdade é um postigo

A que ninguém vem falar.

Nunca dizes se gostaste

Daquilo que te calei.

Sei bem que o adivinhaste.

O que pensaste não sei.

Tive uma flor para te dar

A quem não ousei dizer

Que lhe queria falar,

E a flor teve que morrer.”

Texto de : Fernando Pessoa